Como falir um relacionamento

Posted in Comportamento by . on 25/06/2007

 

Engraçado como os homens, que se acham tão superiores com seus 4 bilhões de neurônios a mais, conseguem ser tão ingênuos. Aquela história de “quem não dá assistência, abre concorrência” deveria ser ensinada em sala de aula.

Um dia ele diz que gosta de você e no outro some. Uma semana depois aparece com a mesma ladainha e depois desaparece de novo. Quando você menos espera aparece outro interessado. Como você é uma mulher determinada e sem compromisso, passa a investir. Então o primeiro “descobre”, surge do nada com provas, argumentos e advogados e se acha o maior injustiçado. Chega até a ter uma opinião completamente errada de você, que estava quieta, ao contrário dele, que neste meio tempo deve ter conhecido outras tantas mulheres.

A questão é que ele a deixou livre para o mundo e pensa que tem algum direito sobre você. Sem ter uma certeza dos sentimentos alheios a mulher tende a compartilhar sorrisos com todos os homens solteiros (ou não) que surgirem em seu caminho. Uma hora esse sorriso conquista alguém e se este não desaparecer também, sinto muito, mas você perde a preferência.  

Então eles vêm com aquele papo indignado de que as mulheres são todas iguais. Alguém esqueceu de avisar-lhes que os tempos mudaram e que hoje as cinderelas saem de casa (ou à caça) e compram seus próprios sapatos. Alguém precisa explicar-lhes também que é preciso mais cuidado. Quando uma mulher está interessada ela consegue fazer um contato de uma ilha deserta. Os homens geralmente têm essa mesma capacidade extraordinária apenas quando conseguem uma “escapadinha” no meio da semana para um futebol com os amigos. 

Percebendo que não passam de mero detalhe na vida masculina, as mais espertas partem logo para outra. Existem aquelas que insistem até se machucarem, mas tendem a aprender. Com essa falta de demonstração, os homens deveriam estar cientes de que abriram uma enorme concorrência, muitas vezes bem mais atenta ao seu consumidor e correm o risco de nunca mais conseguir abrir um negócio tão bom. 


Marina Fiamoncini
Que não espera pelo príncipe encantado

Anúncios

O Fabuloso Filme de Jean-Pierre Jeunet

Posted in Cinema by Sal on 25/06/2007

Quando postei um artigo aqui no blog sobre o filme Bem Me Quer, Mal Me Quer, percebi que algumas pessoas não tinham assistido a um outro filme com a protagonista da película. Por isso, a dica de DVD dessa semana não é um lançamento, mas uma recomendação que faço a todos que desejam assistir um longa-metragem que inspire e deixe a alma mais leve.

Se você é do tipo que só pega na locadora filmes de ação, com muita explosão, fugas mirabolantes, tiros e carros em alta velocidade talvez não se agrade muito dessa indicação, mas àqueles que gostam de uma boa história, uma reflexão, com personagens humanos e bem construídos, O Fabuloso Destino de Amélie Poulain é o filme na medida. Com a soberba direção do francês Jean-Pierre Jeunet a película não se prende a gêneros, estimula a fantasia e a imaginação.

O Fabuloso Destino de Amélie Poulain, interpretado por Audrey Tautou, conta a história, ou melhor, a fábula da moça que dá nome ao filme, mostrando o quanto a infância dela foi solitária, sendo educada por um pai frio e distante e uma mãe neurótica. Com poucos amigos, a jovem menina cresceu entregue a sua imaginação e fantasias. Um dia, um episódio inesperado em sua vida faz com que Amélie tenha uma brilhante idéia e, se conseguir realizá-la, passará a dedicar-se em fazer o bem, ajudando as pessoas a encontrar a felicidade, sempre de forma discreta e criativa. Nossa heroína só se enrola um pouco na hora de encontrar a própria felicidade.

Um filme sensível, de direção impecável, com um tempo de projeção na medida certa, aliado a um esmero técnico magistral. E como não poderia deixar de ser, uma trilha sonora espetacular que sobrevive fora do filme, recheada do típico som do acordeom francês e piano. O Fabuloso Destino de Amélie Poulain é uma exaltação as coisas simples da vida.


Le Fabuleux Destin d’Amélie Poulain

 

Ariston Sal Junior
Que após esse filme tornou-se fã de Audrey e Jeunet