The Ultimates

Posted in HQ by Colaborador on 13/09/2007

Ah, os intelectuais e universitários! Como vocês se acham espertos e inteligentes! Lendo seus livros cheios de bravatas idiotas e achando que entendem esse mundo de terror que se instaurou há 6 anos. Na verdade quase ninguém entende realmente, imagina se vocês vão saber de algo? Pois digo que uma das obras mais interessantes e complexas sobre a mentalidade americana da “guerra preventiva” é um gibi! Um gibi que trata de política e das ações tomadas pelos Estados Unidos, e que (vejam só!) muitas vezes serve para entender as coisas. Pra quem quiser tentar fazer isso, obviamente. E nem é uma graphic novel cult do Allan Moore ou uma nova série do Frank Miller, ou algum outro quadrinho de algum outro autor que os “inteligentes” e moderninhos adoram citar, mesmo sem nunca ter lido uma página de nada que eles tenham produzido.

É um título da Marvel e que é lançado (quase que) mensalmente no Brasil na revista Marvel Millenium: Homem-Aranha! The Ultimates (no Brasil Os Supremos) é a visão moderna dos Vingadores, grupo de super-humanos subordinados a S.H.I.E.L.D. do Coronel Fury e composto por Homem de Ferro, Capitão América, Thor, Vespa, Gigante, Hulk, Feiticeira Escarlate, Gavião Arqueiro, Viúva Negra, Mercúrio, entre outros. A principal diferença dos Vingadores “regulares” para Os Supremos, além de vários componentes da equipe, é o enfoque.

Na versão “século XXI” a Shield foi incumbida de formar uma equipe de super-humanos com um objetivo muito claro: auxiliar nos bastidores da “Guerra contra o Terror”! Lógico que Nick Fury (claramente inspirado no Samuel L. Jackson) faz de tudo para que a equipe não desvie o foco de suas atividades militares (mesmo que ele muitas vezes mande o presidente às favas…), mas quase que rotineiramente as coisas saem de controle. Muito.

A grande causa para que as coisas quase sempre saiam meio tortas é que a maior parte dos principais integrantes do grupo NÃO DÁ A MÍNIMA pra guerra imposta pelos EUA. Tony Stark está muito mais preocupado com seu traje de Homem de Ferro do que com qualquer outra coisa; Bruce Banner quer apenas recuperar Betty Ross e manter a sanidade mental. Falha miseravelmente e ao final do primeiro ano da revista é condenado a morte por ter matado civis em Nova York num ataque de fúria do Hulk. Aliás, essa edição é memorável! Porém o que houve com ele não pode ser caracterizado como morte, o que abre margem para a desconfiança do grupo de que há um traidor entre eles. Todos pensam nos “russos” da equipe, mas os Supremos NÃO É um gibi convencional…; Hank Pym não consegue manter o casamento com a Vespa e a espanca! Steve Rogers (que foi dado como morto ao final da segunda guerra, mas foi “descongelado” por Fury) expulsa o Gigante da equipe após uma coça memorável.

Porém o personagem mais controverso e legal de os Supremos sem dúvida é o Deus do Trovão. Thor é um líder da esquerda radical européia, concede entrevistas falando sobre os malefícios da globalização, organiza uma espécie de comunidade alternativa na Escandinávia e acredita piamente que é O Príncipe Asgardiano reencarnado, mesmo que a maioria das pessoas o considere um lunático! Agora imaginem um cara desses trabalhando pra agência especial anti-terrorismo americana!

O motivo pelo qual o título é relevante e não apenas uma patriotada yankee com a intenção de enaltecer o Capitão América como líder perfeito e na equipe perfeita mora na Escócia e atende pelo nome de MARK MILLAR. Melhor roteirista da “nova geração”, Millar não só consegue impor seu ritmo tresloucado em suas próprias criações (Chosen) como também deixa sua marca com enredos estranhos e diferentes nos títulos mainstream da Casa das Idéias (os próprios Supremos, Ultimate X-Men, o seu arco de histórias para o Homem-Aranha). Muito provavelmente o único roteirista que está no mesmo patamar de Millar hoje é Warren Ellis. Tanto é que Ellis é o roteirista de Pesadelo Supremo, mini que está sendo finalizada no Brasil por agora e reúne os Supremos, e as versões Ultimate dos X-Men e do Quarteto Fantástico.

Vale também o registro que o trabalho do desenhista Brian Hitch nos Supremos, cinematográfico e rico em detalhes, concede o realismo e a urgência necessários para que Millar possa utilizar seu viés muitas vezes político às histórias. As cenas aéreas que Hitch desenha são de tirar o fôlego!

Mesmo utilizando uma linguagem irônica e sarcástica nos diálogos e mostrando vários lados da mesma moeda nesse pandemônio de guerra, terrorismo, armas de destruição em massa e fanatismo (religioso ou político), muitos devem achar que gibis como Os Supremos são apenas mais uma forma americana de impor sua vontade cultural ao resto do universo. E essas mesmas pessoas ouvem “Rock ‘n’ Roll Baby” e lêem Noam Chomsky! Bando de coitados…

Felipe Conti
Que além de fã do Mark Millar, não odeia os EUA pelos motivos que todos odeiam

Anúncios

6 Respostas

Subscribe to comments with RSS.

  1. SAL said, on 13/09/2007 at 11:50 am

    muito bacana o texto….
    deu vontade de ler! e olha que não sou fã da marvel! hahahahahahah!
    parabéns felipe! nota-se que és um apaixonado por hq!
    colabore com mais textos!!!!
    abraços,
    sal

  2. Joel Minusculi said, on 13/09/2007 at 2:18 pm

    Realmente, há muito preconceito ao pessoal que admira a nona arte dos quadrinhos. Quanto aos personagens da Marvel, eles são mais caricatos ao modelo de herói (tudo graças ao Tio Stan Lee), porém, conseguem com seu humor muito bem temperado passar suas mensagens (diga-se as tiradas de Peter Parker). Quanto ao capitão América como um escoteiro, não há muito o que falar. O Super, apesar de ser de outro planeta, usa as cores da bandeira dos Estados Unidos. E o Capitão América, depois do 11 de setembro e a “Civil War” está mudando muito sua personalidade do Marvel Universo.
    Muito bom o texto, Felipe!

  3. Aline said, on 13/09/2007 at 2:57 pm

    Eu não li ainda, e não sei se um dia vou ler (acho que por livre e espontânea pressão), mas acho que esse guri aí escreve muito bem!!!
    E que venham mais textos!!!

    Beijos…

  4. stefanisays said, on 13/09/2007 at 6:52 pm

    Questionamentos pra vocês, rapaz:
    1) Quais são os motivos que te fazem odiar os EUA?
    2) Super heróis seriam a salvação para essa guerra instalada?
    3) A ficção imita a vida?
    Deixando de lado meus questionamentos tlavez obvios (hehehe), devo comenta rque o texto tá mtoooooooooooo bem formulado. Realmente me interessei pelo gibi e por seu autor. Continue indicando coisas interessantes assim que eu continuarei lendo o blog!!!!

  5. Fábio Ricardo said, on 13/09/2007 at 7:00 pm

    As HQs há muito vêm se mostrando mais inteligente sque os livros atuais.

  6. PAULO COELHO JÚNIOR said, on 01/02/2008 at 2:18 pm

    CLARAMENTE PELO QUE EU TENHO LIDOS NOS ÚLTIMOS 6 ANOS, COMO UM DOS LEITORES DA ” NOVA GERAÇÃO” MAIS COMO MUITOS OTIMISTA EM PRESERVAR A HISTÓRIA NATURAL, VENHO LENDO A HISTÓRIA DO ARANHA. E O CABEÇA DE TEIA VEM PASSANDO POR CADA PESADELO, COMO NO 11 SE SETEMBRO!! ASSIM COMO O LIDER DOS SUPREMOS O GRANDE CAPITÃO AMÉRICA QUE PASSOU POR GUERRAS MUNDIAS E CONFLITOS TERRORISTAS!!! ATUALMENTE O GIBI SE TORNOU UMA FORMA DE CONHECIMENTO ILUSTRATIVO E ARGUMENTATIVO, VISTO QUE TEM TIDOS OTIMOS DESENHOS E ARGUMENTOS!!! JÁ É MAIS QUE NA HORA QUE O GIBI SEJA RECONHECIDO COMO UMA DAS ARTES, VISTO QUE A ARTE NÃO IMITA A VIDA E SIM A REPRODUZ!!


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: