Veteranos dos Bares

Posted in Crônica, Literatura by Sal on 02/10/2007

Só na noite é que saímos para lugares que já ficaram marcados no dia anterior. Onde nossos fantasmas estão a nossa espera, guardando sempre um lugar para o dia seguinte. Uns vão pro Baixo-Leblon, outros pra Cidade-Baixa, alguns estão no Pontão do Lago Sul e têm os que vão para a ladeira do Pelô, ou ainda pra suave brisa da Beira-Mar. Sem contar os sempre cheios da Vila Madalena.

Em qualquer lugar os bares, esse templo sagrado dos boêmios, reúne lindos personagens da cidade, oculta pelos olhos do dia. Pela ausência de culpa, revelando segredos que o sol não consegue decifrar.

Nesses encontros, às vezes secretos, onde secretíssimos dialetos são desenvolvidos e ganham corpo. Nos templos etílicos das pequenas metrópoles e dos imensos povoados, seguimos em comunhão os rituais solenes, insolentes. A garrafa, o copo, a toalha, a mesa. Falamos da vida, dividimos nosso cotidiano, expomos nossas feridas, refazemos planos. Os assuntos se confundem, se misturam, são diversos. Tomamos porres de canções, de prosas, de versos. colecionamos amores. Mas cuidado, pois descarta-se os abandonos.

Somos veteranos dos bares, bêbados, abandonados, sem lar, sem vínculo, que delineando as dores com cerveja, choramos juntos, sozinhos a tristeza. E sobrevivemos. Ah, e como sobrevivemos. Com graça, com encanto, sem canto e rimos da solidão pelas madrugadas insones, onde o céu é um quadro negro de luzes singelas, contrasta com as estrelas que sobem no gás, nas espumas e escorre pelo ralo, pelo bueiro.

Com tudo, há o amor. Sempre belo, idealizado, com os pactos fechados, nem sempre cumpridos, muitas vezes sufocado. Quase sempre sofrido, machucado. Mas nossa promessa de não chorar, para não derramar lágrimas que não são compreendidas, quase é traída quando nossos olhos, pelo calor dos bares, teimam em suar.

 

Ariston Sal Junior
Por enquanto cantamos, somos belos bêbados cometas…”

 

Anúncios
Tagged with: , , , , ,

8 Respostas

Subscribe to comments with RSS.

  1. Raquel Elena said, on 02/10/2007 at 10:00 am

    Sou suspeita!!!

    Participei em pequenina escala… Digo, referência geográfica barística… 😛

    Parabéns Salito!!!

  2. mord said, on 02/10/2007 at 12:57 pm

    essa imagem é um quadro do van gogh, non?
    ou do munch?
    ou nao tem nada a ver e eu viajei total? haha

    enfim, gostei do texto :]

  3. dani said, on 02/10/2007 at 1:59 pm

    Muito bom, adorei…
    🙂 bjus

  4. Sal said, on 02/10/2007 at 4:14 pm

    raquel, mord e dani!
    obrigado pelos comentários e a visita!

    raquel: referência fundamental para a crônica! obrigado,. bjs

    mord: é van gogh. vista externa de um cafe em frente a prefeitura de paris, se não estou enganado. adoro van gogh!

    dani: TE AMO!

  5. dani said, on 02/10/2007 at 4:22 pm

    tb te amo, muito.
    Tá conectado é?!?!?

  6. mord said, on 05/10/2007 at 3:05 pm

    eeee!
    obrigada por esclarecer a dúvida, Sal! 😀

  7. Sal said, on 05/10/2007 at 3:49 pm

    “mord Says:
    Outubro 5th, 2007 at 3:05 pm edit

    eeee!
    obrigada por esclarecer a dúvida, Sal!”

    pode crer! 😉

  8. Beatriz Sasse said, on 12/09/2011 at 1:16 pm

    Muito bom Sal! Um salve para a amizade.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: