Repitam comigo: eu-te-amo

Posted in Comportamento, Opinião by . on 23/02/2008

 

No Japão foi criado um curso que ensina os homens a dizerem “eu te amo” a suas esposas e demonstrar o que sentem por elas. A Nihon Aisaika Kyokai (Associação dos Maridos Devotados do Japão) foi formada em 2004 e conta com 150 membros de meia-idade.

Não que no Japão as pessoas não se amem ou os homens sejam super machistas. É que na época dos samurais o homem que fazia mais sucesso com as mulheres era justamente o que não dizia eu te amo. É estranho, mas não especificaram se os guerreiros da época tinham o porte de Tom Cruise em “O último Samurai”, senão as coisas ficariam mais bem explicadas. A idéia vale para o Brasil também. Aqui não é difícil se deparar com homens tímidos ao ponto de não conseguirem nem falar o que sentem e outros estupidamente grossos. Ou seja, clientes não faltam.

 

Sabe como chegar a conclusão de que seria legal criar essa associação? Simples: perceberam que na prática, não dizer eu te amo era a maior burrada. O criador da associação Kiyotaka Yamana, de 46 anos, declarou que o homem japonês acredita que a mulher adivinhe o que ele sente mesmo sem dizer as três palavrinhas mágicas, como se todas elas tivessem adquirido uma bola de cristal de última tecnologia. A mulherada então começou a ter dores de cabeça freqüentes e muito stress no trabalho. Sabe como é…

Com isso o número de malas arrumadas começou a crescer muito, cerca de 27% em 10 anos. Entre pessoas casadas por 20 anos chegou a 42 mil em 2004, o dobro do registrado em 1985. Já o número de divórcios entre pessoas casadas por mais de 30 anos (e olha que são 30 anos!) quadruplicou no mesmo período.

Outro probleminha da cultura japonesa é que o tempo que o marido pode ficar em casa é muito curto. Opa, mas que coincidência! E o que falar do futebol, cerveja com os amigos, trabalho de madrugada, despedida de solteiro…? O engraçado é que os eventos da associação são realizados (além de no Parque Hibiya, um dos maiores de Tóquio) numa plantação de repolhos (!) a quase 150 km da capital japonesa, onde se situa a sede da entidade.

A idéia mais meiga criada pelo grupo foi o “Dia da Esposa Amada”, comemorado no dia 31 de outubro, onde o marido deve “mostrar na prática seu amor voltando para casa às 20h, jantando com a família e dizendo à mulher o quanto ele gosta dela por tudo que ela faz para ele próprio e para a família”. Ufa! Para eles deve ser um sacrifício e tanto fazer isso. Eu acrescentaria ainda um café na cama no dia seguinte para tirar um 10 com estrelinhas.

As regras

Todos com papel e caneta na mão? Estão vamos para as cinco regras básicas para “se dar bem em casa” de acordo com a Associação dos Maridos Devotados do Japão:

– Assumir para si pelo menos uma das tarefas de casa (não vale só colocar as cuecas no cesto de roupa suja);
– Mostrar gratidão (também não precisa achar que ela é sua mãe);
– Ter muita paciência para ouvir as novidades que a esposa tem para contar em seu dia-a-dia (até sobre o capítulo da novela);
– Livrar-se do sentimento de vaidade masculina e de excessiva preocupação com as aparências (e concordar que as mulheres precisam de mais roupas que os homens!);
– Olhar diretamente nos olhos da esposa ao falar com ela (e não desviar para a bunda que apareceu na televisão).

Eu sempre achei que devemos aprender muito com esses japoneses que passam muito mais tempo estudando do que lendo notícias não muito úteis à sociedade. Se bem que, de alguma maneira, alguma mulher pode estar precisando mandar o companheiro para a “escolinha de romantismo” e pode se interessar pelo curso. Enquanto isso as mulheres podem continuar fazendo cursos de strip tease e massagem tailandesa para que todo mundo saia ganhando nesse complicado mundo das relações a dois.

Marina Fiamoncini
Que ainda não entendeu por que escolheram a plantação de repolhos

Anúncios
Tagged with: ,

5 Respostas

Subscribe to comments with RSS.

  1. Sal said, on 23/02/2008 at 9:37 am

    bom, eu não preciso desses conselhos, pois já faço isso e muito mais pelo meu broto! dizer “eu te amo”, é necessário sempre. já fui até elogiado da maneira como falo, em um exercício de quando eu fazia aula de teatro no tablado! hehehehehehehe, sou um profissional da arte de valorizar a mulher!

  2. Marina said, on 23/02/2008 at 1:31 pm

    Então quando criarmos um curso desse tipo no Brasil você será o professor, tá Sal?
    hehehe

  3. Jessi said, on 23/02/2008 at 3:02 pm

    adorei Mari!
    fazia tempo que você não escrevia!
    mas esse assunto: é a sua cara!
    minha conselheira para assuntos romanticos!
    hauihaiuhauhauih

    ;

  4. dr4cul4 said, on 26/02/2008 at 2:46 pm

    eu que moro aqui no Japao a tanto tempo(13anos)sei exatamente como eh,eles nao soh nao falam isso a sua esposas como tambem nao as beijam em publico,nao andam de maos dadas pelas ruas,nao demonstram qualquer tipo de carinho…tipico japones!!por isso que sempre digo,o povo mais gelado e reprimido de sentimentos que ja conheci na vida!!
    e digo aki e em qualquer lugar sempre…eu te amo vida!!(v4mpir4)

  5. costadessouza said, on 29/02/2008 at 1:35 am

    Nossa! Deve ser triste a mulher japonesa. Viva o Brasil e os homens que dizem eu-te-amo. De qualquer forma, vai ser sempre esta a única desvantagem das mulheres em relação aos homens: vocês se relacionam sexualmente com homens.
    Adorei o texto, Marina! O final foi fantástico!


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: